Tempo e Paciência

Eu me lembro bem meu primeiro mês como Semillero em Chocó. Chegamos a noite e tomamos moto-taxi com nossas malas enormes e, como sempre, debaixo de chuva. Conhecemos nossos vizinhos e imediatamente já esqueci seus nomes. Me lembro que na primeira vez que saí de casa, estava bem consciente de que era a única pessoa de pele branca, por quilômetros de distância. Me lembro de me sentir constrangido e muito suado; de reconhecer os rostos das pessoas que já havia conhecido, mas não fazer ideia de quais eram seus nomes. Me lembro de me sentir frustrado, apesar de concentrar toda minha energia em entender o que as pessoas falavam, mas mesmo assim não poder entender, muito menos responder.

Durante estes meses de ajustes para @s semillheir@s, nós @s incentivamos a concentrarem em conhecer suas comunidades e seus contextos: um processo importante para @s semilleir@s e também aos membros das comunidades. Embora esta tarefa de conhecer sua comunidade pareça simples, para muit@s pode ser difícil. Estamos convidando locais e  estrangeir@s a se integrarem a uma nova comunidade, a alguns, a se atreverem a aprender outra língua, a compartilharem uma refeição, a ouvirem sem julgamento, a confiarem, a mudarem suas expectativas, a serem curios@s, a aprenderem a cada oportunidade, a lerem e analisarem um contexto, a adotarem o paradoxo e a estarem presentes. Estamos pedindo @ ell@s que encontrem um equilíbrio entre suas frustrações e os momentos de conexão com a comunidade, e que permitam que essa conexão seja formada. Convidamos também aos membros da comunidade a participarem desse processo, como por exemplo, a abrirem suas casas para @s semiller@s.

Hoje vejo como as primeiras semanas foram importantes para formar relacionamentos que, depois de um tempo, comecei a apreciar e a dar valor. Mesmo que para mim fosse mais fácil me fechar em casa e continuar, de longe, com minha vida norte-americana, uma parte de mim queria tomar iniciativa e procurar relacionamentos significativos fora da minha zona de conforto. A cada novo relacionamento, nome por nome, abraço por abraço, fui me familiarizando com as comunidades de Chocó – mas isso exigiu tempo e paciência.

Durante as próximas semanas, @s Semiller@s vão compartilhar histórias dos seus primeiros meses em suas comunidades. Queremos pedir sua paciência com el@s nesse tempo de transição, assim como el@s têm tido paciência no processo de conhecer suas comunidades.

Traduzido por: Carolina Gouveia